Categoria "Diário de Viagem"

Diário de Viagem: Cruzeiro Pullmantur MS Souvereign – Parte 03

Em 12.12.2016   Arquivado em Destaques, Diário de Viagem

E chegamos a mais um post sobre os meus dias no cruzeiro da Pullmantur MS Souvereign! Para conferir os primeiros posts é só clicar aqui na parte 01 e 02.

Hoje vou falar um pouco sobre minha percepção no primeiro dia que estive lá, atendimento e muito mais.

Eu viajei através de um pacote na CVC, então o translado foi através deles. Eu sai num ônibus as 02:30 a.m, me levando direto a Santos. O ônibus é super confortável, com direito até a lanchinho (pacote com biscoitos Bauducco, doces e água).

O processo no porto é um pouco demorado. É preciso fazer check-in, pegar duas filas pra preencher umas fichas, pegar os cartões de acesso, deixar as malas com o pessoal da embarcação, pra então, poder entrar no navio. Mas quando você acha que finalmente está livre pra aproveitar tudo, ainda tem que passar pelo constrangedor detector de metais. hahaha
Constrangedor, porque mesmo depois de tirar todos os brincos e correntes que pedem, ainda tive que passar 2 vezes por ele – morrendo de vergonha – até descobrir que eu havia esquecido de tirar o piercing, e detalhe, eu estava usando macacão!
Ainda bem que o pessoal de lá é tranquilo e entenderam na hora. Com tantos anos que eu tinha, nem mesmo lembrava que eu estava usando.

Ao entrar no navio é tudo novidade, muito antes do dia de viagem (ainda na CVC) fomos informados de que era preciso levar uma troca de roupa extra e até mesmo um biquíni em alguma mala de mão. As malas podem demorar horas para chegar na cabine, e para não correr o risco e aproveitar o navio ainda nos primeiros minutinhos, é sempre bom ser precavido.

Entramos no navio quase próximo do horário de almoço, então fomos correndo almoçar em um dos decks. O nosso escolhido foi o Buffet Panorama no Deck 11, com self-service e uma comida maravilhosa.

Quando eu queria relaxar eu ia até o The Spinnaker Piano Bar tomar um Screwdriver, que nada mais é que suco de laranja com vodka!

As nossas malas só chegaram na cabine próximo ao fim da tarde, então deu pra aproveitar pra conhecer todos os decks com calma antes do jantar. O navio começou a navegar rumo ao Rio de Janeiro somente de noite.

O horário da minha janta (e de quem escolheu o primeiro turno) era as 19:30, são dois turnos e eu escolhi o mais cedo, pois assim já me sentia livre pra ir aos outros eventos do navio e aproveitar a noite.

Seria tudo perfeito, se não fosse por um detalhe: enjoo. Eu levei remédio para todos os problemas que eu achei que pudesse passar, mas no primeiro dia o balançar do navio ficou muito evidente. Percebia ele indo pra lá e pra cá ainda no banho, ao caminhar pelo navio, e quando sentei para comer conseguia sentir ainda mais, e então, me revirou o estômago.

Todos os dias tinha cardápio novo, com direito a escolhermos uma opção de entrada, prato principal e sobremesa.
Eu estava tão ruim de estômago, que comi muito pouco e detestei os pratos que escolhi. Sai de lá tão decepcionada que a única coisa que conseguimos fazer foi entrar na cabine, tomar remédio, deitar e dormir (ou tentar, pois eu me sentia deitada em uma boia dentro de uma piscina haha).

Sim, dormimos no primeiro dia as 22:00. Me sinto triste por não ter aproveitado ainda mais o navio. Ficamos com tanto medo de passar mal novamente que tomamos 1 remédio pro estômago de manhã e 1 de noite, todos os dias. Foi uma maravilha, pois nem mesmo o balançar do navio me incomodava mais, e pra ser sincera, hoje sinto uma saudade enorme disso.

E até o jantar ficou delicioso hahah o horário do jantar era um dos meus preferidos! Então, quem for viajar de navio lembre-se disso: levar uma caixinha de remédio para enjoo! 😀

Gostaram? No próximo post irei contar sobre minha viagem ao Rio de Janeiro! 😀

Um beijo!

Caderno Diário de Viagem da Tilibra

Em 17.11.2016   Arquivado em Diário de Viagem, Dicas

Final de ano tá chegando e com ele vem o verão, as férias, e consequentemente, as tão sonhadas viagens. O/
Está programando viagem para o exterior? Se você já programou e precisa de uma mãozinha, trago o acompanhante de mala indispensável:

O Diário de Viagem nada mais é que um diário caderno onde você poderá fazer anotações durante a viagem inteira.

Destinos, informações de voos, lista de itens indispensáveis para a mala, além de algumas dicas caso você precise viajar de trem, carro ou avião, lista de conversão de tamanho de calçados, conversão de peso e até mesmo temperaturas.

Também disponibiliza uma lista com números de telefones que a Embratel criou (o BrasilDireto) para o caso de quiser fazer ligações a cobrar e preferir falar em português; lista de feriados internacionais em diferentes localidades, além de um mini vocabulário de viagem com algumas palavras comuns em inglês, português e espanhol. Perfeito para não se perder em nada!

Outra coisa bem interessante é que ele vem com bastante espaço para anotações pessoais como dicas que amigos nos deram, restaurantes, hotéis, museus, lojas, coisas que não podemos deixar de ver/visitar, fazer, linhas para anotações de finanças, telefones úteis e até mesmo pessoas que conheceu e anotações gerais para o que mais desejar. 😀

Acho válido carregar na bolsa e tenho certeza que os mais organizadinhos, que não pretendem perder NADA durante o passeio, irão fazer bom uso. E claro, diário foi feito para guardar e relembrar. Que tal guardar os detalhes da sua viagem da melhor forma? 😉

O Diário de Viagem eu comprei na Saraiva e na época paguei cerca de R$ 19,90. Vocês podem encontrar tanto nas lojas físicas, como também na virtual.

Gostaram? Vão viajar nas férias para onde? Me contem!

Um beijo!

Diário de Viagem: Cruzeiro Pullmantur MS Souvereign – Parte 02

Em 17.08.2016   Arquivado em Diário de Viagem

Na primeira parte da viagem do cruzeiro, expliquei como pensei na viagem e falei um pouco sobre os decks do navio.

A cabine que escolhemos foi a interna, localizada no Deck 04. Escolhemos ela no escuro com a intenção de só aproveitá-la para dormir, mas nos arrependemos um pouco por não escolher uma maior, somente pelo conforto do espaço.

Ela é bem aconchegante, arrumadinha, e creio que para um casal que planeja apenas dormir, seja o ideal. Já eu que sou mega espaçosa e me sinto sufocada em lugares pequenos me incomodei um pouco. Sem contar a falta de uma janelinha.

A cama é muito macia, o jogo de cama fresquinho e o travesseiro bem gordo, perfeito pra dormir. Tem lâmpada na cabeceira, o que facilita muito a vida da gente.

No lado esquerdo e próximo a cama, havia uma penteadeira bem bonitinha. Não me sentei nenhuma vez nela, pois quase não fiquei na cabine e nem espalhei minhas coisas pelas gavetas (a medrosa em ir embora e perder/esquecer as coisas), mas em uma delas havia um secador de cabelo.

Já o banheiro é menor ainda. Não sei se é padrão nas outras cabines do navio, mas o espaço é minúsculo, sem nenhuma ventilação (a não ser a fornecida pelo navio) e o box é simplesmente uma cortina de tecido que sempre grudava nas pernas. hahah
Imagine uma vaca lambendo suas pernas no meio do banho! É exatamente essa a sensação: uma cortina geladinha. 😀 Mas fora isso nada que desanime a viagem.

Olhando em direção ao banheiro, e virando do lado direito temos um espaço para pendurar casacos e claro, o salva-vidas chamado: cofre.

Era nele em quem eu confiava para guardar meu dinheiro, câmeras e documentos enquanto eu estava fora do navio. Ficava super tranquila.

Também tinha TV, onde pegava alguns canais do próprio navio, como a programação, imagem da navegação (o que eu achava um pouco assustador hahah), e alguns canais abertos.

Hoje, uma das coisas que mais sinto saudades da cabine é poder ir dormir e ouvir o camareiro (sim, o meu camareirO era é um homem e se chamava Rodolfo!) bater de leve na porta, para entregar o folheto com toda a programação do dia seguinte. Era uma ansiedade toda vez que recebíamos, pois queríamos saber o que faríamos de bom ao amanhecer.

Acordávamos bem cedinho para aproveitar o FARTO café da manhã no restaurante Buffet Panorama (um dos pratos na foto abaixo) que era em forma de self service: tinha dadones, vários tipos de pães, panquecas, ovos, BACON!!, frutas, frios e várias outras coisas… tudo isso sem se preocupar em voltar e arrumar a cama: havia um cartão em que colocava na trava da porta para o camareiro entrar pra arrumar a cama e trocar as toalhas molhadas por novas e sequinhas! Então ao voltar sempre estava tudo arrumadinho. <3

Nós fechamos o pacote All Inclusive, onde toda a comida e bebida era inclusa (somente o restaurante Wu Fusion e algumas bebidas bem mais caras não estavam nesse pacote, para isso era necessário pagar em dólar ou ter fechado o pacote Premium, que inclui toda a gama de vinhos 12 anos, whisky e etc).

No próximo post irei contar sobre os dias em que fiquei no navio, minha percepção, atendimento e muito mais. 🙂

E vocês já viajaram ou pretendem viajar com esse navio? Querem que eu grave um vídeo contanto tudinho o que fiz nessa viagem (inclusive com os vídeos dentro do Sovereign)? Comentem!!

Um beijo!

Página 1 de 3123